quarta-feira, 21 de abril de 2010

O REPRESENTAMEN, O OBJECTO E O INTERPRETANTE

Olá pessoal!
Aqui vai uma explicaçãozinha básica para complementar a aula anterior sobre os elementos constitutivos do signo, de acordo com Pierce.


Então vamos lá...

Para Pierce, a semiótica estuda a fundo todos os processos de formação do significado na mente de cada indivíduo.

Na concepção de Pierce, o conceito de signo é o do signo em geral, não importa de que espécie, seja ele verbal, mental, abstracto ou concreto. O signo é qualquer coisa que representa alguma outra coisa para alguém, é um elemento em que se correlacionam três outros elementos (relação triádica) denominados: Representamem, Objecto e Interpretante.












- O Representamem é esta coisa que representa; É a maneira que este “algo” está representado.
- O Objecto é esta coisa que é representada; É o “algo” que iremos analisar.
- O Interpretante é como este “algo” será interpretado; É, por sua vez, uma terceira coisa que, surgindo na mente do intérprete no momento em que ele percebe aquela primeira coisa (representamen), faz com que ele a interprete desta maneira, como sendo, de facto, não uma coisa em si, mas uma coisa que representa uma outra coisa.


Passemos então a alguns exemplos que melhor ajudarão a compreender.

EXEMPLO 1:










O Objecto desta figura é o pentagrama.
O Representamen é a forma que ele foi desenhado, ou seja: em 3D, deitado, com ondulações de cores, um pouco inclinado a esquerda.
O Interpretante é uma parte importante a ser analisada. De acordo com o que foi representado (descrito a cima) temos uma determinada impressão.

Vejamos: “o facto de estar em 3D nos remete a tecnologia (não parece com algo velho que remeta a mitologias e etc.), o facto de estar deitado dá-nos uma sensação de conforto, parecendo que não tem ninguém segurando, vamos supor que foi assim colocado para dar a impressão de que “foi abandonado” (depende da interpretação de cada um).
Se ele tivesse sido feito em madeira (representamen) ele daria uma impressão de um amuleto, algo antigo, por exemplo.
Se ele fosse mostrado a um personagem de Dan Brown, este o entenderia como a representação do feminino.
Se estivesse virado ao contrário, na vertical (representamen) iria nos remeter ao satanismo ou a bandas de “black metal”, por exemplo.

É importante notar que qualquer objecto é representado de uma maneira específica e devido a isso ele terá uma interpretação específica. Esta interpretação pode ser consciente ou não.


EXEMPLO 2:












Objecto: Suástica.
Representamen: Feita de pedra, apoiada no chão, ponta recta na direita.
Interpretante: Para um romano que viveu no século III, ela remeteria a prosperidade, boa sorte e energia sexual. Sua origem vem do sânscrito svastika, e significa “ser afortunado”.
Esta suástica só seria “nazista” se estivesse ao contrário, girada um pouco a esquerda.














Para quem não conhece muito de simbologia e vive nos tempos actuais ela vai nos remeter a ideologia nazista, de qualquer maneira, certo?

Perceberam a necessidade de estudarmos o interpretante do objecto independente da maneira que está ele será representado? Muita gente pensa que qualquer suástica representa o nazismo e pronto.


Portanto, para Pierce, "um SIGNO é aquilo que, sob certo aspecto ou modo, representa algo para alguém. Isto é, cria na mente dessa pessoa um signo equivalente, ou talvez, um signo mais desenvolvido. Ao signo assim criado, ele denomina interpretante do primeiro signo. O signo representa alguma coisa, o seu objecto".


Melhor entendido, pessoal?
Fiquem bem e até a próxima aula!

3 comentários:

  1. Muito bom, ler o livro da Lucy ou Santaella é um verdadeiro Labirinto, totalmente verborrágico e nada explicativo.

    ResponderEliminar
  2. Vlw cara, me ajudou muito a entender essa matéria nada fácil :)

    ResponderEliminar
  3. Podemos levar o termo interpretante para o campo psicanalítico.

    ResponderEliminar